« Home | 'LA CRUELDAD CONTRA LOS PRIONEROS POLITICOS QUE LA... » | 'THE CUBAN GOVERNMENT HAS TORTURED ME DURING EIGHT... » | La seguridad del estado cubano encarcela a un jove... » | Aznar, Walesa y Havel advierten que los cambios e... » | IFJ Condemns Assault, Detention of Cameraman in Z... » | Carta de Oswaldo Payá Sardiñas dirigida a Kofi An... » | Ribeiro e Castro apoia reféns das FARC No decurs... » | Atentado bombista faz sete mortos na Turquia Sete... » | Atentado na embaixada dos EUA em Damasco A embai... » | Carteles Frente a la Casa de Payá: La Propaganda ... »


Escândalo: Cuba proíbe visitas do CICV a prisões


O Comissário Europeu Louis Michel, responsável pela pasta do Desenvolvimento e Ajuda Humanitária, confirmou e lamentou que, desde 1989, nem o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV), nem qualquer representante da Comissão das Nações Unidas para os Direitos Humanos tenham sido autorizados a visitar ou inspeccionar as cadeias cubanas.

Realce-se a este propósito que, no período de 1960 a 1989, o governo cubano recusou sistematicamente todos os pedidos do CICV para proceder a visitas às suas prisões. E, após a visita de 1989, que identificou a existência de 257 presos políticos, a intolerância cubana voltou a instalar-se e tem-se mantido.

Esta situação de verdadeiro escândalo assume proporções ainda maiores uma vez que Cuba foi admitida no recém-criado Conselho das Nações Unidas para os Direitos Humanos, mas dá mostras de , na prática, ter um total desprezo pelos mesmos.


As afirmações do Comissário Louis Michel constam da resposta a uma pergunta escrita do Presidente do CDS-PP e Deputado ao Parlamento Europeu José Ribeiro e Castro.

Na mesma resposta recebida pelo líder democrata-cristão, o Comissário Michel refere ainda “ter abordado a questão com as autoridades cubanas na visita que efectuou a Cuba em Março de 2005 e com o Ministro cubano Perez Roque durante a sua visita à Europa em Março de 2005 e Maio de 2006”.

Infelizmente, o governo cubano continua totalmente indiferente aos apelos dos democratas cubanos e de diversos actores da comunidade internacional, mantendo absoluta intransigência no que respeita a visitas e inspecções às cadeias, ignorando por completo os compromissos que assumiu de manter os mais elevados padrões na promoção dos direitos humanos exigidos a todos os membros eleitos do Conselho para os Direitos Humanos.

Recorde-se que o Presidente do CDS-PP tem sido um dos rostos mais visíveis na defesa e promoção dos Direitos Humanos em Cuba, sendo actualmente o porta-voz do grupo PPE-DE para estas questões, e membro do Comité Internacional para a Democracia em Cuba, presidido por Vaclav Havel.

Ler: CDS-PP